Futuro do trabalho: 4 competências importantes para se dar bem no mercado do trabalho

Hoje você vai saber sobre quatro competências que são importantes para desenvolver e aprimorar para ter sucesso na sua carreira.

Neste ano de 2020 nós estamos enfrentando uma pandemia que, obviamente como você já sabe, impactou drasticamente a nossa economia, nossa forma de viver, e, claro, o nosso trabalho também. 

Muitas pessoas infelizmente ficaram desempregadas. Outras precisaram mudar completamente o que estavam fazendo para manter o emprego e a renda. Outras até mesmo começaram a empreender…

…Enfim, mas uma coisa que precisa ficar clara é que essas competências que eu vou descrever aqui na verdade já eram necessárias antes.

A gente já passava por mudanças na nossa forma de trabalhar, a única diferença é que isso estava acontecendo de uma forma bem – digamos – lenta. 

Porém agora, é sim muito importante que a gente consiga acelerar o nosso desenvolvimento nessas áreas porque elas vão definir o seu crescimento profissional daqui pra frente. 

E vale dizer ainda que isso precisa ser feito independentemente da área em que você trabalha.

Então, vamos à primeira competência:

Competência 1 – Maturidade digital

Você provavelmente já se cansou de ouvir falar sobre esse assunto em matérias jornalísticas ou eventos sobre o tema, mas a primeira dessas competências para você desenvolver é, sim, a Maturidade Digital.

A cultura digital já chegou faz tempo e não vai embora nunca mais. 

Quem observou as empresas durante essa crise tentando migrar pro mundo digital para sobreviver – seja começando a fazer entregas, criando lojas online, aceitando pedidos por WhatsApp, etc. – sabe o quanto é importante se capacitar nessa área.

Mas, aí você pode me perguntar:

O que é, afinal, ter maturidade digital? É eu saber mexer na internet, criar páginas nas redes sociais e interagir com essas ferramentas?

Em parte, sim. Mas ainda vai muito além disso.

Eu vou te responder essa questão com os dados de uma pesquisa feita pela empresa de consultoria empresarial McKinsey em parceria com a Google

Esse estudo fala que embora no Brasil a gente tenha muita facilidade com mensagens, redes sociais e noções básicas sobre estar conectado com a internet, ainda falta atingir aderência na própria cultura digital.

Coisas como saber acompanhar os lançamentos tecnológicos e como eles podem impactar na sua segurança ou de seu negócio são alguns elementos que faltam.

A pesquisa ainda mostrou que a nossa pontuação com relação à parte de criação de conteúdo é bem baixa. 

Então, atividades como produzir conteúdo online até mesmo ter facilidade para lidar com dados e agregar informações relevantes, fazer apresentações digitais, usar vídeo, etc., são algumas das quais a gente ainda não dominou.

E, de novo devo reforçar: não importa com o que você trabalha, o digital de alguma forma vai impactar sua carreira.

Competência 2 – Agilidade profissional

A segunda competência também tem a ver com o digital, afinal o impacto causado pela tecnologia fez com que ela existisse. Ela é a agilidade profissional. 

Quem já teve algum contato mínimo com o mercado de tecnologia provavelmente ouviu falar nos métodos ágeis, na necessidade de empresas se tornarem ágeis, termos como Transformação Digital e Agilidade Digital, entre outros… 

Mas, aqui eu trago esse conceito mais como uma competência para a gente desenvolver e colocar em prática, do que de fato um processo específico que precisa ser implementado com ajuda mais técnica.

A principal ideia é que você consiga planejar, executar e concluir projetos e iniciativas no seu trabalho de maneira mais rápida. Dessa forma, você obtém feedback o quanto antes se aquilo que você produziu funciona ou não com mais rapidez também.

Eu bato nessa tecla de que precisamos ser mais ágeis, porque ainda existem áreas ou times que levam meses ou até anos para começar um projeto ou para dar andamento em uma iniciativa por ter essa ideia de que tudo tem que estar tudo 100% pronto e perfeito antes de ser lançado. 

E as vezes esse não é o caso. 

E aí você passa o mês, o trimestre ou o ano todo com um projeto encalhado porque ficou faltando apenas um detalhezinho para ele ser concluído e colocado em prática ou lançado para clientes. 

Ou então isso acontece porque você pode ter ficado com medo de entregar algo que não esteja 100% completo ou que você não tenha certeza absoluta de que sua ideia vai dar certo. E quem é que tem essa bola de cristal, né?!

Por esse motivo que eu gosto muito do conceito de MVP (Minimum Viable Product), que é basicamente você entregar uma coisa que tenha os requisitos mínimos possíveis, mas que ainda assim cumpra com a função principal para ser lançada e testada no mercado.

Que tal trazer isso para a sua realidade e seu trabalho? Não precisa ser um produto, pode ser um projeto, iniciativa, algum processo que você queira implementar para melhorar algo na empresa…

Afinal, é assim que as empresas mais inovadoras sobrevivem.

Então, um bom começo para você desenvolver Agilidade Profissional é primeiro analisar se você não está empilhando projetos/ iniciativas por falta de detalhes mínimos. 

Você poderia, por exemplo, já apresentar pro seu chefe ou seus colegas uma ideia nova que teve – ainda que ela não seja perfeita, e pedir a opinião deles para que vocês aperfeiçoem tudo aos poucos e se ajudem. 

Aliás, saber trabalhar em equipe faz parte dessa competência.

Ah, e um detalhe: ser um profissional ágil também é saber reconhecer quando um projeto empacado ali já não faz mais sentido. 

Dessa forma, essa competência também envolve ter uma certa resiliência.

É você aprender que está tudo bem caso algo não tenha dado certo de primeira. Tem coisas que você precisa deixar pra lá pra poder se dedicar ao que realmente importa e ao que, no momento, vai trazer resultados.

Então, a agilidade é exatamente isso: você entregar mais rápido, errar mais rápido, e consequentemente ter um aprendizado rápido sobre o que funciona ou não e crescer profissionalmente com muito mais rapidez também.

Competência 3 – Autorresponsabilidade

A terceira competência é a autorresponsabilidade.

Você pode já ter ouvido esse termo ou até discussões – na maioria sobre empreendedorismo – as quais defendem que “as pessoas devem ser responsáveis pelo próprio sucesso.” 

Bom, existem várias ressalvas a serem feitas sobre isso, mas quando a gente fala sobre lidar melhor com o mercado de trabalho, ter essa mentalidade e competência é algo realmente imprescindível.

E o que significa ter autorresponsabilidade profissional?

É basicamente você se colocar como total responsável pelo seu crescimento profissional dentro e fora da empresa. 

Ou seja: é não esperar que ninguém, nem mesmo o seu chefe, determine o caminho que você for seguir na sua carreira e os desafios que você pode ou não superar.

Uma maneira de entender melhor o que eu digo é enxergar isso sob o seguinte ponto:

Cada novo emprego que eu tiver, vai ter que me preparar para o meu próximo emprego ou cargo. 

Então, se eu almejo alcançar certo tipo de carreira, certa profissão ou um cargo específico, eu tenho que conseguir aprender todas as habilidades, ganhar experiências e desenvolver os requisitos que vão me ajudar a chegar naquele objetivo, enquanto estou no meu cargo atual.

E caso a empresa onde eu trabalho não apresente isso ainda de forma clara, eu preciso buscar formas de fazer isso acontecer – ou então, encontrar um tipo de trabalho que contenha esses requisitos dos quais eu preciso.

E por que eu falo sobre autorresponsabilidade como algo relevante para o futuro do trabalho se ela na verdade SEMPRE foi importante?

Eu explico: eu falo isso porque no mercado de trabalho de algumas décadas atrás a dinâmica profissional era diferente. 

Era comum você ver pessoas passando anos ou até décadas na mesma empresa, e sendo promovidas de cargo ali, obtendo diplomas, certificados e outros cursos por meio da própria companhia que as empregava. 

E embora ainda existam empresas que ofereçam tudo isso, essa dinâmica se tornou uma exceção no mercado de trabalho como um todo (não por menos, né? Afinal temos novas profissões e formações que surgiram).

De certa forma, esse cenário podia fazer com que os profissionais dependessem muito da liderança da empresa para crescer ou não de cargo e de responsabilidades. 

E qualquer emprego, mesmo que ainda seja em algo que você gosta, com o passar dos anos pode ficar entediante e não te oferecer mais tantos benefícios pessoais e financeiros. 

É por isso que você precisa ser responsável por ir em busca de novos desafios, desenvolver-se em novas áreas e sair zona de conforto para se promover e crescer mais rápido. E isso deve ser feito pensando em você e no que você quer – e não só no que a empresa onde você trabalha precisa.

Algumas iniciativas que podem te ajudar a desenvolver a autorresponsabilidade é você começar a pensar em que metas você tem pra sua carreira e traçar planos para chegar até elas. Sim, parece uma ideia bem óbvia mesmo, mas tu já fez isso? 

Além disso, se você está empregado no momento, você pode convocar uma reunião com o RH da sua empresa ou seu chefe. 

Nessa conversa, você pode dizer que gostaria de saber se existem algumas responsabilidades que podem ser passadas para seu cargo para que você consiga crescer seu repertório em algo novo.

E eu vou mais além: se o seu chefe, ou se existe alguém na sua empresa que você admira profissionalmente, com um cargo ou carreira que você deseja alcançar, você pode perguntar pra ela que habilidades ela desenvolveu para chegar ali. 

Competência 4 – Autonomia

A quarta competência na qual você precisa trabalhar para se dar bem é a Autonomia

Você precisa conseguir trabalhar bem sem ter o seu chefe perto de você o tempo todo. Num movimento cada vez maior para que as pessoas trabalhem remotamente, o seu contato direto com o escritório pode ficar cada vez mais escasso. 

E é aí que suas habilidades de organização e sua criatividade e autenticidade ao criar métodos próprios para alcançar resultados serão testadas.

E pense nisso como um grande benefício para si, afinal pesquisas mostram que os profissionais com mais autonomia têm um índice mais alto de satisfação com suas carreiras.

Então, se você não aprender a cumprir com as responsabilidades dentro de todas as prioridades, datas de entrega e tarefas que for fazer, você terá problemas mais tarde em encontrar emprego em empresas que já implementaram ou vão implementar formas mais “independentes” de trabalhar.

Isso porque, embora a hierarquia nas empresas ainda exista e os líderes estejam ali para te guiar e ajudar, as empresas cada vez mais procuram pessoas que consigam “se virar sozinhas” dentro daquilo que elas foram contratadas para fazer. 

E vamos falar a verdade: é inviável que você espere novas instruções a cada tarefa que você for fazer. 

Até porque, se te falta clareza sobre elas, VOCÊ deve atrás dos contatos certos para descobrir o que você precisa entregar e de que forma isso pode ser feito.

Por isso, é importante que desde já você se acostume e tente ter mais autonomia nas suas decisões. 

E é claro que esse conhecimento não vai cair do céu: você pode aprender isso com as próprias pessoas que te gerenciam. 

Por exemplo: se você não sabe como tomar certas decisões, ou de que forma é melhor se organizar, converse com seus líderes, peça dicas, pra você começar a praticar isso no seu dia a dia. 

Veja o que a equipe ou as pessoas que lideram seu time recomendam para diferentes casos/ cenários que possam ocorrer sob sua responsabilidade.

O mais interessante disso tudo é que com o tempo isso vai se tornar natural para você. 

E assim você vai conseguir resolver problemas ou tomar decisões que cabem a você de forma mais fácil e, quem sabe, concorrer a uma promoção ou cargo com mais responsabilidades num futuro próximo.

Dica extra: aprenda a negociar melhor

Eu ainda deixo uma dica extra e super útil para você na carreira como um todo e para o dia a dia do trabalho, que é: aprenda como negociar.

Já tem até um artigo aqui no blog que fala sobre como você pode negociar o seu salário – que convenhamos, é algo muito importante de se fazer antes de entrar em qualquer empresa e mostrar seu talento. 

Clica no link aqui embaixo para ler o artigo e ver o vídeo sobre esse tema:

E por hoje é só: comece desde já a desenvolver a sua maturidade digital, sua agilidade profissional, autorresponsabilidade e autonomia.

Todas elas, aliás, serão essenciais caso você queira se tornar um empreendedor ou empreendedora no futuro. 

Tem alguma outra competência que você acha importante para sua carreira? Ou você já está se desenvolvendo em alguma dessas competências que eu citei aqui? Então conta pra mim nos comentários aqui embaixo como tem sido sua experiência e o que tem funcionado para você. 😉

Não esquece de compartilhar o link desse artigo (ou do vídeo que está disponível aqui também) com seus amigos e colegas para ajudá-los a crescer na carreira também.

Até a próxima!

Foto do post por pikisuperstar – Freepik.com