Como conseguir emprego sem experiência? Confira estas 5 dicas!

Todo profissional que já passou pelo primeiro emprego sabe o quanto essa fase é difícil e confusa. Afinal, encontrar vagas de emprego sem experiência, ou sem faculdade, sem rede de networking ou sem qualquer referência não é nada fácil…

Como posso me destacar no mercado sem ter experiência prévia? Como posso me apresentar se não tenho nada para falar sobre trabalhos anteriores? E se eu não me formei…Como consigo emprego sem faculdade?

Foi para te ajudar a resolver questões como essas acima que hoje eu trouxe 5 estratégias para você conseguir emprego sem experiência.

Então, se prepara aí desse lado da tela, e arregaça as mangas – porque as dicas são boas, mas você precisa botar a mão na massa, né?! 😉

1. Estude o currículo de outros profissionais e defina em qual tipo de cargo/ área você vai focar

Baseada nas lições que aprendi há muitos anos, hoje em dia a primeira coisa que eu faria antes mesmo de me candidatar para vagas é tentar descobrir o que eu quero fazer e em quais cargos e atividades eu vou focar.

E juntamente com isso também preciso identificar com quais tipos de empresas e culturas eu mais me identifico.

Eu sei, a vontade mesmo é de disparar o máximo de currículos possível já que você não tem experiência e precisa tentar de tudo! Porém, acredite: ter clareza sobre o que você quer nessas horas faz toda a diferença!

Você provavelmente já tem uma noção sobre o que você quer, mas uma coisa que eu faria é pesquisar bastante o currículo (ou perfil no LinkedIn), das pessoas que têm trajetórias de carreira que você quer traçar pra você.

Atenção: eu falo isso não pra você ficar se comparando ou criar expectativas de que a sua trajetória vai ser igual a dessas pessoas

Porém, é muito bom você pesquisar como é a realidade desses profissionais. Isso vai te deixar mais familiar com os termos usados no mercado, com como é o movimento dessas pessoas entre cargos e tipos de empresas, como elas evoluíram.

Além disso, dependendo do que elas escrevem no perfil e nas experiências delas, você vai ter uma noção de como é uma determinada profissão, o que é importante aprender ou com que projetos é legal você se envolver pra se dar bem nessa carreira!

2. Monte sua narrativa profissional

Depois, você vai alinhar tudo o que você descobriu e aprendeu e montar a sua narrativa profissional.

E você deve fazer isso se baseando em quem você é e nos diferenciais que você oferece nesse momento. 

Tenta responder a seguinte pergunta: Por que uma empresa X deveria te contratar?

Para chegar nessa resposta, analise quais são seus diferenciais. Afinal, o que te colocaria na frente de outro candidato para um determinado cargo na empresa que você vai se candidatar?

Eu sei, você pode me dizer:

– Ain, mas como eu vou me destacar sem ter formação e nem experiência para mostrar?

Entende uma coisa: nem toda vantagem competitiva de um profissional está ligada a cursos ou experiências de trabalho formais.

Inclusive eu já até trouxe um exemplo bem claro em uma frase do Jeff Weiner, ex-CEO do LinkedIn, que fala da importância de valorizar habilidades em vez de diplomas.

Então, tem bastante coisa pra ser explorada. Pensa aí: que habilidades, competências diferenciais você já tem? Pode ser que você tenha uma facilidade enorme em mexer com redes sociais e tecnologia, por exemplo, e a empresa pode se beneficiar disso ao te contratar.

Ou você é uma pessoa extrovertida e comunicativa, e que poderia se dar muito bem lidando com clientes. 

Você pode ser muito bom na organização. E, olha, tem muito profissional formado com mil anos de experiência que não é organizado e causa uma verdadeira bagunça, então isso é um BAITA diferencial, acredite!

O simples fato de você saber idiomas diferentes, ou até mesmo de entender muito sobre um assunto que gosta muito: jogos, esportes, música, moda, culinária, cinema, seja lá o que for…

Tudo isso, dependendo da área que você vai aplicar, podem ser pontos fortes que você nem tinha percebido que tinha!

Vou te dar um exemplo meu:

No meu caso, quando eu fui procurar o meu primeiro estágio – ou seja, não era nem primeiro emprego, eu foquei bastante no fato de eu saber sobre tecnologia e web. 

Eu gostava muito de criar blogs, e por isso eu aprendi a programar na adolescência. Esse tipo de conhecimento, a facilidade que eu tinha de pelo menos entender como essas coisas funcionavam ainda que eu não tivesse a experiência, virou o meu diferencial porque na época em que eu estudava tinha pouca gente com experiência mais técnica em internet.

E tanto foi assim que um dos estágios que eu fiz e praticamente toda a minha trajetória foram focados nesse diferencial.

Então, se você está cursando alguma coisa, observa as pessoas próximas de você que tenham a mesma idade, mesmo curso, ou algo do tipo: O que que você sabe fazer bem que elas não sabem? 

Faz uma comparação saudável (é claro!) para enxergar o que você tem de melhor, ou em que momentos em um projeto ou até trabalho em grupo você mais se destacou.

Às vezes sua colega ali é craque em matemática e resolveu uma parte de um trabalho, mas ela teve dificuldade com alguma outra área e pediu a sua ajuda para resolver.

Enfim, tente se lembrar de casos assim e se autoanalisar e uma hora você pode ter o clique: puxa, eu sou bom nisso mesmo!

3. Tenha MUITA proatividade

Uma terceira estratégia bem simples para conseguir emprego sem experiência é ser proativo e botar a mão na massa para criar suas próprias oportunidades.

Ora, se Maomé não vai até a montanha…Você cria a sua própria montanha! (Ah, você entendeu!)

Pensa da seguinte forma: como você quer que os recrutadores notem você, se você não está fazendo a sua parte em demonstrar quem você é pra eles?

As empresas vivem soterradas por currículos de diversas pessoas diferentes e não vão saber que você existe a não ser que você demonstre isso.

Então, bora colocar a proatividade em prática, arregaçar as mangas e chamar a atenção desses empregadores!

E para fazer isso, tem um método ma-ra-vi-lho-so que garantiu o meu primeiro emprego depois que eu saí da faculdade, e eu já até falei sobre ele por aqui, que é: enviar o seu currículo por email proativamente pras empresas.

Essa pode ser uma das suas primeiras estratégias para conseguir emprego e é uma ótima oportunidade para você se apresentar, contar quem você é, de onde veio, e onde você quer chegar.

E ainda que no momento as empresas que você contactou não tenham vaga ou não queiram te contratar, elas podem sim lembrar de você num futuro próximo e te chamar pra entrevistas! (sim, isso já aconteceu comigo)

E eu já te escuto aí desse lado da tela:

– Ahh mas não sei nem o que escrever, porque nunca fiz nada, não tenho experiência!

Como não tem o que escrever? Conte para as empresas exatamente a realidade que você vive no momento!

Isso, inclusive, me leva a te contar a quarta estratégia:

4. Seja honesto sobre sua realidade e não tenha vergonha de não ter experiência ainda!

Repete comigo: não ter experiência não faz de mim um profissional menos interessante e não é motivo de vergonha.

Além disso, você prefere mesmo só ficar falando: 

– Ah eu não experiência então também não vou correr atrás de mais nada, vou só reclamar aqui no meu canto!

Sendo que no lugar disso você pode encarar essa realidade, usar tudo o que eu falei até aqui, descobrir seus pontos fortes e assumir que, sim: você está em busca do seu primeiro emprego, você não tem experiência ainda.

Maaaaaaaas, isso não significa que você não está motivado ou motivada pra aprender, que você não está correndo atrás dos seus sonhos e nem que não irá melhorar e se aprimorar mais no futuro.

Olha só quanta coisa você teria para falar. E, lembre-se: não tem nada que impressiona mais as empresas que contratam jovens profissionais do que alguém determinado atrás dos sonhos e com BASTANTE ENERGIA pra aprender.

Aproveita essa energia da juventude, aliás!

5. Utilize métodos alternativos para ganhar experiências que podem contar no seu currículo!

E além de não ter vergonha da sua situação e de ter proatividade para entrar em contato com empresas, você também tem que perder o medo de utilizar métodos alternativos para aprimorar suas experiências.

Sim, os recrutadores podem até entender quando você fala que esse é seu primeiro emprego, seja porque você terminou o ensino médio, porque é jovem, ou porque ainda não teve a oportunidade de ganhar alguma experiência no passado.

Mas, convenhamos, você tem que fazer a sua parte e ao menos tentar vivenciar essas experiências ainda que elas não sejam tão tradicionais assim!

Existem feiras de estágio e para jovens aprendizes, eventos, conferências e até workshops destinados para esse nível profissional. Alguns deles podem até oferecer certificados, inclusive.

Ainda mais agora, com a pandemia, muitos desses eventos são promovidos online – ou seja, é só você ligar o seu computador ou até o celular pra participar e dar os primeiros passos na sua rede de networking e aprender mais sobre como o mercado de trabalho funciona.

Caso você queira se profissionalizar em alguma ferramenta ou tópico específico, tem também plataformas de cursos online que ensinam de tudo, desde a programar até marketing, design e gerenciamento de projetos.

Além disso, se você é estudante do ensino médio, pode ser que a sua escola tenha grêmios, promova concursos, competições ou precise de voluntários para ajudar em alguma iniciativa. 

A própria prefeitura de sua cidade pode estar precisando disso!

O que me leva a te contar uma outra ótima opção: tem o trabalho voluntário também! Existem instituições de várias áreas que precisam de gente com qualquer tipo de conhecimento para ajudar.

Então, se o que você tem no momento é tempo, não descarte essas opções porque elas são muito valorizadas em jovens profissionais!

E, por fim, seja flexível e paciente

Por último, uma lição importante é você ser flexível a mudanças e aceitar que as coisas levam tempo para dar certo.

No começo da minha vida profissional, eu era extremamente ansiosa e me cobrava demais para que tudo acontecesse rápido.

Quando eu tinha uns 19/ 20 anos, tudo o que eu estou vivendo na minha carreira AGORA, quase uma década depois, eu pensava que ia estar vivendo com uns 25 anos.

Pff…E com 25 anos eu estava mais frustrada e perdida na vida do que nunca…

E hoje em dia eu entendo essa ansiedade toda. A gente costuma ter muita expectativa no começo, e essa expectativa e pressa vão diminuindo conforme a gente amadurece na vida profissional.

Fora que nem pessoas mais velhas conseguem sucesso rápido, então pra que tentar acelerar as coisas quando o que a gente precisa é realmente passar por esse processo da forma mais profunda e significativa possível?!

Levar vários NÃOs, cometer erros, mudar de ideia, estudar e se frustrar fazem parte desse processo também, então viva esse tempo e aprenda com ele.

Apenas tenha em mente uma coisa: ficar parado e reclamar não vai te fazer ganhar pontos com recrutadores.

Se você não tem experiência, mas está pesquisando, tentando aprender coisas novas, se aprimorando, você com certeza vai dar um passo adiante na sua carreira.

Agora, se você tá nessa situação, mas não estuda, não demonstra interesse, não tenta entender quais demandas as empresas têm para tentar se encaixar nelas…Aí fica difícil. 

Lembre-se da frase: “Não adianta querer resultados diferentes fazendo sempre a mesma coisa.”

E só aqui eu sugeri uma infinidade de opções diferentes pra você explorar e que não custam nada mais do que o seu próprio tempo. Fora outras dicas do blog e do canal. Então, mãos à obra!

Agora, me conta aqui nos comentários: você está buscando seu primeiro emprego? Qual dessas estratégias você já usou ou vai tentar daqui pra frente para arrumar um trabalho sem ter experiência?

E se você tá perdido ou perdida ainda no seu processo, dá uma olhada também nestes outros dois artigos que podem te ajudar:

E olha: dica boa a gente não deixa passar batido…Não esquece de compartilhar esse post e o vídeo com seus amigos e amigas também!

Até a próxima!